Na América Latina

Nossa presença na América Latina tem sua pré-história na vinda da primeira imigração de colonos alemães da Diocese de Münster para o sul de Santa Catarina, no início da década de 1860. Para o atendimento pastoral desses imigrantes, que se fixaram na região de Braço do Norte, veio o Pe. Guilherme Roer, o qual, em 1890, foi substituído pelo Pe. Francisco Xavier Topp, da mesma diocese.

Desde o começo de sua atividade pastoral, o Pe. Topp sentia a necessidade de mais ajuda, e assim, já em 1894, um novo e grande projeto o levou de volta à Alemanha em busca de reforço: ele sentia que lhe faltava a colaboração feminina, faltavam Irmãs para abrir colégios e assim promover a cultura das jovens gerações, para abrir hospitais, promovendo a saúde, e para auxiliar na catequese, fomentando a religiosidade do povo.

Entre outras Congregações, Padre Topp pediu à Congregação das Irmãs da Divina Providência, que ele já conhecia em Münster, que viessem Irmãs ao sul do Brasil para desenvolver uma missão evangelizadora. Mesmo não estando nos planos da Congregação as missões estrangeiras, a Irmã Bertha Barthmann, Superiora Geral, deu o seu “sim” para tais trabalhos. Com essa permissão, 90 Irmãs apresentaram-se logo para ir às missões, das quais as seis primeiras partiram de Münster para o Brasil em companhia do Padre Topp, em 11 de fevereiro de 1895, desembarcando na ilha de Santa Catarina no dia 27 de março de 1895.

Por alguns dias, as Irmãs encontraram cordial acolhida em casa do comerciante alemão Francisco Brüggemann para refazer-se da fadiga e das emoções da longa viagem. Já em 31 de março de 1895, as Irmãs Anna Niemeyer, Rufina Weyermann e Paula Emping rumaram para Blumenau, onde deram início ao Colégio Sagrada Família. E, finalmente, em 11 de abril de 1895, após duas longas semanas de espera, as Irmãs Albina Fuhrmann, Albertina Köller e Osvalda Wegener puderam partir para Tubarão, onde fundaram o Colégio São José.

Uma vez iniciada a presença das Irmãs da Divina Providência e sua missão no Brasil, muitas outras Irmãs alemãs vieram depois das seis primeiras, e muitas moças brasileiras também entraram na Congregação. Desde o começo, com muita coragem, amor ao trabalho, mas também com renúncia e espírito de sacrifício, as Irmãs exerceram sua atividade principalmente em escolas, hospitais, assistência social e pastorais diversas.

Para efeitos de melhor organização e administração dessas diversas obras, já presentes então em 14 cidades, a Província Coração de Jesus criou a Sociedade Divina Providência, associação sem fins econômicos, de direito privado, no dia 10 de novembro de 1911, na capital do estado de Santa Catarina.

Atualmente vivem na América Latina 540 Irmãs, distribuídas em 04 Províncias e uma Região, atuando no Brasil, Paraguai, Bolívia e em Moçambique/ África central.

Irmãs da Divina Providência ao redor do mundo.

Irmãs da Divina Providência ao redor do mundo.